Mailing list
Catálogo

As Ervas Secas Kuru Otlar Üstüne

Um filme de Nuri Bilge Ceylan com Deniz Celiloglu, Merve Dizdar, Musab Ekici, Ece Bagci

Num local remoto que parece ter apenas duas estações – um inverno coberto de neve e um verão que revela as suas altas pastagens – um professor de meia-idade, que anseia por uma transferência para Istambul, desenvolve uma obsessão pouco saudável por uma aluna de 14 anos. Uma denúncia desencadeada pela descoberta de uma carta de amor leva a uma imersão chekoviana na identidade psicológica das personagens, num filme extremamente absorvente. Com As Ervas Secas o realizador turco Nuri Bilge Ceylan regressa à Anatólia e aos seus célebres planos fotográficos e retratos de grande beleza. O filme estreou na Selecção Oficial de Cannes, onde Merve Dizdar venceu o Prémio de Melhor Actriz, e tem percorrido o circuito de festivais internacionais.

Amarante - Cinema Teixeira de Pascoais

21:30
2023 | Turquia | M/14 | 3h 17min | Drama | Longa-metragem

Festivais e prémios

Selecção Oficial de Cannes - Nomeação para a Palma de Ouro e Prémio de Melhor Actriz para Merve Dizdar

Selecção Oficial TIFF 2023

Candidato Turco ao Óscar de Melhor Filme Internacional

Crítica

«Na encruzilhada do pequeno e do grandioso, do pathos e do infinito, Ervas Secas é um filme imenso.»

Transfuge (Frédéric Mercier)

«Um fresco sensível e literário, chekhoviano como o inferno, sobre a passagem do tempo e os sentimentos que renascem.»

Télérama (Louis Guichard)

«Este é mais um filme extremamente absorvente deste cineasta único (…) que merece plenamente o seu estatuto contínuo de realizador de topo.»

The Guardian (Peter Bradshaw)

«Depois de A Pereira Brava, As Ervas Secas confirma uma evolução na encenação de Nuri Bilge Ceylan, que ganhou em elasticidade e tom formal.»

Cahiers du Cinéma (Josué Morel)

«Com Ervas Secas, Nuri Bilge Ceylan prova mais uma vez que é um grande cineasta da vida interior e dos tormentos humanos.»

Bande à part (Olivier Bombarda)

«Um Ceylan grande e triste como uma vida desperdiçada.»

Les Fiches du Cinéma (Thomas Fouet)

Actores e ficha técnica

Deniz Celiloglu, Merve Dizdar, Musab Ekici, Ece Bagci


Argumento: Ebru Ceylan, Nuri Bilge Ceylan, Akin Aksu
Direcção de Fotografia: Cevahir Sahin, Kürsat Üresin
Produção: Nuri Bilge Ceylan
Distribuição: Leopardo Filmes

Biografia do realizador

Nascido em Istambul em 1959, Nuri Bilge Ceylan percorreu um caminho artístico incomum. Estudante de engenharia química e eléctrica durante um período de grande agitação política no país, Ceylan descobriu a paixão pela fotografia durante os seus anos de universidade, onde também iniciou a sua aproximação ao cinema através da participação em cursos opcionais e sessões organizadas por grupos de estudantes. Após uma passagem por Londres e por Kathmandu, e ainda incerto sobre o seu futuro, decidiu alistar-se no exército, onde inusitadamente descobriu a sua vocação para o cinema. Em 1995, a sua primeira curta-metragem Cocoon (1993), produzida a partir de negativos que trouxera de uma viagem à Russia e de película expirada cedida pela televisão nacional turca, foi seleccionada para a competição de curtas-metragens em Cannes. Seguem-se as três longas-metragens que compõem a "Trilogia da Província": The Small Town (1997), Clouds of May (1999) e Uzak – Longínquo (2002), que conquistou o Grande Prémio do Júri no Festival de Cannes em 2003. Aclamada internacionalmente, a trilogia é célebre pelas suas produções de baixo orçamento, com elencos de actores amadores, e Ceylan assegurando o argumento, o som, a edição e várias outras funções além da realização. Em 2006, Climas recebeu o Prémio FIPRESCI em Cannes e, em 2008, Três Macacos conquistou o Prémio de Melhor Realizador no mesmo festival. Em 2011, o seu filme Era Uma Vez na Anatólia voltou a conquistar o Grande Prémio do Júri em Cannes e, em 2014, a sua obra-prima Sono de Inverno foi galardoada com a Palma de Ouro. Um dos mais importantes realizadores turcos da actualidade, Ceylan é célebre pelos seus planos-sequência, frequentemente filmados em cenários naturais, e pela sua característica incorporação de jogos de sons e silêncios que lhe permitem trabalhar temas como a alienação do indivíduo, a monotonia do quotidiano, a solidão e a comunicação humana.

Amarante - Cinema Teixeira de Pascoais

21:30

Subscreva a nossa newsletterr

Este website usa Cookies. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa Política de Cookies.